Praças digitais ajudam estudantes em Pemba

0
169

Pemba (IKWELI) – A instalação de terminais de internet de acesso gratuito, denominado por “Praças Digitais”, tem vindo a ajudar os estudantes da cidade de Pemba, na província de Cabo Delgado, com as suas pesquisas académicas.

“Praças Digitais” é uma iniciativa do governo moçambicano implementada pelo Fundo do Serviço de Acesso Universal (FSAU), entidade adstrita a Autoridade Reguladora das Comunicações (ARC), a qual consiste na instalação de uma rede de internet gratuita em praças públicas nas autarquias do país.

O principal objectivo da iniciativa é a democratização do uso da internet, podendo proporcionar o acesso de cerca de 57.600 utilizadores por dia em cada Praça Digital.

A cidade de Pemba, em Cabo Delgado, é uma das autarquias contempladas pelo projecto desde o ano passado. Nesta cidade o sistema foi instalado na praia do Wimbe, um local turístico por isso, abrange um número maior de usuários, entre munícipes, estudantes e turistas.

É nestes últimos usuários que o serviço está a ter maior impacto. Os estudantes dizem que o serviço permite-lhes efectuar pesquisas, o que ajuda na elaboração de trabalhos académicos, sem quaisquer custos.

Segundo relevou Edmundo Manhiça, porta-voz do Instituto Nacional de Comunicações de Moçambique, com a iniciativa pretende-se que, ao alargar o acesso à internet, os cidadãos das zonas abrangidas possam aproveitar as vantagens do mundo digital para aumento do seu conhecimento, conectividade com o mundo, desenvolvimento da economia digital, entre outras vantagens.

“Estas praças digitais têm como objectivo principal promover a inclusão digital. Ninguém deve ficar por fora, ninguém deve pensar que a internet é para aqueles que têm, não! Desfrutemos de forma positiva, busquemos aquela informação que precisamos para a escola para o nosso próprio desenvolvimento, informação que beneficie a nossa comunidade”, disse a fonte.

“Em cada praça podem estar conectados simultaneamente 200 usuários, sendo que cada um tem um tempo de utilização de uma hora, findo o qual é desconectado automaticamente, libertando o IP para a conexão de outro utilizador”, esclareceu Edmundo Manhiça.

“É uma boa nova para os estudantes de Pemba. Contrariamente ao que é habitual, já não é necessário usar qualquer cartão de telefonia móvel. Nem é preciso gastar algum valor na compra de crédito. Basta apenas ter um smartphone, tablete ou computador, ligar-se a rede WI-FI e seguir as instruções”, disseram alguns estudantes entrevistados pelo nosso jornal.

“A internet daqui ajuda-me a fazer os meus trabalhos da escola e ter outros conhecimentos de outros países”, disse Bacar Jussa, estudante do ensino secundário para quem iniciativas desta natureza devem ser expandidas a mais lugares da cidade.

Ahamada Macame, outro estudante que prestou o seu depoimento disse que a internet facilita a vida de muitos dos seus colegas. “Viemos aqui pesquisar os nossos trabalhos da escola, antigamente comprava crédito para converter em megas, mas agora não preciso isso. Uso WI-FI daqui da praia”, disse Macame. (Delfim Anacleto)