Inaugurado novo sistema de abastecimento de água em Namaita

0
88

Nampula (IKWELI) – Os moradores do posto administrativo de Namaita, distrito de Rapale, em Nampula, já respiram de alívio com a entrada em funcionamento, no último fim-de-semana, de um sistema de abastecimento de água canalizada.

Com capacidade para fornecer cerca de 20 mil pessoas, o referido sistema foi construído no âmbito do Programa Nacional de Abastecimento de Água e Saneamento Rural (PRONASAR), uma iniciativa do governo moçambicano e parceiros.

Numa primeira fase serão efectuadas 150 ligações para igual número de casas, meta que se espera que venha aumentar futuramente. Aliás, também, serão construídos outros 15 fontanários públicos para vencer a escassez deste líquido, segundo garantias dadas pelo governador de Nampula, Victor Borges, entidade que procedeu a inauguração da infra-estrutura.

“Com o passar de tempo vamos aumentar o sistema de abastecimento de água aqui em Namaita e o distrito de Rapale em geral, visto que esse sistema tem apenas a capacidade de abastecer 20 mil pessoas. Vamos ligar, também, nas escolas, na secretária do posto administrativo para que a água não falte”, disse Borges para depois exortar “o que nós pedimos é que usem bem esse sistema, use bem os fontanários para ficarem muito tempo a usar essa água”.

Antes desta infra-estrutura, os residentes de Namaita, em particular mulheres, eram obrigados a interromper o sono nas madrugadas para percorrer longas distâncias de forma a conseguir uma lata de vinte litros deste precioso líquido e, ao longo do caminho, refira-se, os malfeitores aproveitavam-se para satisfazer os seus intentos. O cenário era mais acentuado no tempo seco, segundo depoimentos de alguns moradores daquela zona.

“Esta água vai ajudar a diminuir a falta de higiene na nossa povoação. Passávamos mal por causa de doenças diarreicas, assim acredito que vão diminuir essas doenças. No tempo que não chove as pessoas passavam mal nesta zona, assim estamos contentes, e vou mobilizar meus homens para cuidarmos bem desta água”, considerou, na ocasião, o Régulo Namaita.

“Assim, acredito que as nossas mulheres vão descansar. Elas passavam muito mal, saiam muito cedo em busca de água e, no caminho eram agredidos pelos marginais. Sendo assim, peço para que continuem com essa ideia de trazer água na nossa comunidade”, disse Sozinho Silvério, residente de Namaita.

Por seu turno, Laurinda Germano, também, residente de Namaita disse ao Ikweli que “passávamos mal por causa da falta de água. Acordávamos entre as três e quatro horas a procura de água. A partir do mês de Setembro começava o sofrimento para nós, mulheres, saiamos em busca de água para voltarmos entre as dez e doze horas, dependendo das bichas das mulheres lá no poço. Contraíamos várias doenças. Assim estamos agradecidos porque o sofrimento vai diminuir”.

Com a entrada em funcionamento daquela infra-estrutura passou para 89 o número de sistemas de abastecimento de água canalizada ao nível da província de Nampula, construídos desde o ano de 2015, de acordo com dados avançados durante a 7ª reunião do comité de supervisão do PRONASAR realizada em Namaita no passado fim-de-semana.

Entretanto, ainda existem comunidades sem acesso a água potável, e que para a sua sobrevivência recorrem a fontes tradicionais incluindo os riachos e consome-a sem o devido tratamento, situação que contribui na eclosão de doenças de origem hídrica.

Segundo previsões do governo de Nampula, este ano serão construídas nesta parte do país cerca de 320 fontes de água. “A reabilitação de 259 fontes dispersas e intervenção em 54 sistemas de abastecimento de água, incluindo estudos e elaboração de projectos executivos para a melhoria do abastecimento de água e saneamento em quinze unidades sanitárias dos distritos de Ribáuè, Monapo, Nacala-Velha, Murrupula e Muecate”, anunciou Victor Borges, governador da província de Nampula.

Refira-se que o Programa Nacional de Abastecimento de Água e Saneamento Rural abrange dez distritos da província de Nampula, nomeadamente, Meconta, Rapale, Mogovolas, Memba, Lalaua, Larde, Angoche, Mogincual, Liupo e Erati. (Constantino Henriques)