Intolerância política em Nampula: Frelimo gazeta submissão de candidatura para não cruzar com MDM

0
701
O partido Frelimo gazetou entrega de documentos a Comissao de Eleições de Nampula porque não quer conviver com outros partidos

Nampula (IKWELI) – As eleições de 15 de Outubro próximo já começaram a atestar a tolerância e boa convivência política na província de Nampula, maior círculo eleitoral do país. Na última quarta-feira (24), o partido Frelimo viu-se obrigado a abandonar a apresentação da sua candidatura junto da Comissão Provincial de Eleições (CPE), alegadamente, para não colidir com o Movimento Democrático de Moçambique (MDM).

Segundo uma mensagem enviada, pelo Gabinete de Imprensa do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE), aos órgãos de comunicação social com sede e/ou representação na cidade de Nampula, os camaradas tinham agendado a deposição da candidatura da Frelimo para a Assembleia Provincial e de Manuel Rodrigues, cabeça-de-lista e candidato a governador para as 14 horas do mesmo dia, mas, quis o partido de Daviz Simango anteceder o acto do partido de Filipe Nyusi.

Segundo apurou o Ikweli, o MDM tinha marcado o mesmo acto para as 13h do mesmo dia, 1h antes do partido Frelimo, mas a intolerância política e convívio pacífico entre partido políticos, por parte do batuque e da maçaroca, não permitiram esta sucessão de actos.

“Senhores jornalistas, a entrega da candidatura do partido FRELIMO já foi cancelada e será para amanha quinta-feira (neste caso ontem) ”, disse um representante da CPE de Nampula, minutos depois de o órgão ter recebido a candidatura do MDM.

Instantes depois, com a retirada de alguns de jornalistas, o presidente da CPE de Nampula, Daniel Ramos, anunciou que acabava de ser informado que a apresentação da candidatura do partido Frelimo tinha sido adiada para uma data a anunciar. “Acabo de receber uma informação sobre o adiamento da entrega de candidatura do partido FRELIMO, que tinha sido agendada para amanha, para uma data a anunciar. Comuniquem vossos colegas para não virem amanha aqui”, disse Ramos.

Esta fonte não revelou os motivos que fizeram com que a Frelimo desistisse de efectuar a entrega da sua candidatura na data em alusão, mas os murmúrios apontam para a falta de cultura de boa convivência com outras formações partidárias.

MDM considera-se organizada

Todavia, o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) é o primeiro partido que manifestou interesse em concorrer nas eleições provinciais de 15 de Outubro próximo ao submeter a sua candidatura junto da CPE de Nampula.

Segundo informação em nosso poder, nos próximos dias espera-se a submissão de mais sete candidaturas de partidos políticos diferentes para as eleições provinciais no maior círculo eleitoral do país.

Quanto ao MDM, o partido fez-se presente a CPE através de diferentes membros que acompanhavam o seu mandatário político, incluindo o seu cabeça-de-lista e candidato a governador de Nampula, Mussa Abudo. O partido do Galo deposição candidatura composta por 94 cidadãos que pretendem ocupar os assentos dispostos na Assembleia Provincial de Nampula.

Para Vasco Napaua, delegado político provincial do MDM em Nampula, o facto de o seu partido ter sido o primeiro a submeter a candidatura revela um nível de organização interna superior ao dos seus potenciais rivais.

“Com este acto, o sentimento é de mais um dever de missão cumprido. Para nós o mesmo prova o nível de organização do partido em participar nas eleições de Outubro próximo, como forma de alcançar o poder”, disse, apontando que “o trabalho continua, junto das bases, na mobilização dos nossos membros e cidadãos, em geral, de modo a participarem massivamente no dia de votação, com vista a assegurar a nossa vitória”.

Num outro desenvolvimento, não obstante de forma tímida e inconfortável, Mussa Abudo, o cabeça-de-lista do MDM a governador da província de Nampula, naquela que se pode considerar a primeira aparição a jornalistas, após a sua confirmação a aquela posição, disse que um dos desafios da lista na qual concorre é de transformar a província rumo ao progresso assinalável.

“Pretendemos desenvolver a província, criando mais escolas, estradas e água potáveis às comunidades”, disse Abudo. (Sitoi Lutxeque)