Disparam preços de material escolar em Nampula

0
265

Nampula (IKWELI) – Alguns pais e encarregados de educação na cidade de Nampula, no norte do país, acusam os vendedores de material escolar de ter aumentando, injustificadamente, os preços, numa altura em que a procura é cada vez maior.

O Ikweli percorreu algumas avenidas da autarquia, e notamos, que de facto, preços de material como o caderno, esferográfica e pasta escolar explodiram inadvertidamente, situação que embaraça os planos das famílias.

O ano lectivo 2020 arranca em menos de duas semanas, e há pais e encarregados de educação que nem se quer o uniforme conseguiram adquirir, por isso exigem intervenção das autoridades governamentais reguladoras de boas práticas comerciais no sentido de evitar-se a especulação.

Segundo apuramos, os vendedores ambulantes são os que mais sacrificam as famílias. Por exemplo, uma embalagem de caderno que anteriormente custava ente 60,00Mt (sessenta meticais) a 80,00Mt (oitenta meticais) custa, actualmente, entre 120,00Mt (cento e vinte meticais) a 135,00Mt (cento e trinta e cinco meticais).

Os revendedores justificam que a subida deve-se, também, ao aumento do preço junto do vendedor, ou seja, no armazém.

“Nós temos comprado a 80 meticais cada embalagem no preço de levantamento, e revendemos a 120 meticais para conseguirmos pelo menos algum lucro”, disse Omar António, um vendedor ambulante de materiais escolares.

Um outro vendedor ambulante identificado por Gersom Bigodão disse que os preços poderão ainda subir, caso, também, suba onde tem comprado em levantamento. “Negócio vai bem, e temos tido uma aderência normal dos clientes”, disse aparentemente satisfeito.

Os pais e encarregados de educação não estão satisfeitos com os preços aplicados para aquisição de materiais escolares, e lamentam pelo custo dos mesmos, dada a situação de crise que muitos deles estão votados.

Celma Augusto é responsável de dois educandos. Na altura em que falou ao nosso jornal acaba de efectuar a compra de duas pastas para os seus dependentes, a preço de 400,00Mt (quatrocentos meticais) cada.

“Os preços dos materiais estão bastante elevados. Veja que apenas comprei duas pastas e sem muito tempo de vida a um preço 800,00Mt (oitocentos meticais), e ainda não adquiri outros materiais”, disse a senhora, visivelmente preocupada.

Outros pais e encarregados de educação, também, entrevistado pelo Ikweli, receiam que os seus educandos iniciem as aulas com deficit de material.

Importa referir que a abertura do ano lectivo escolar para 2020 arranca a escala nacional no dia 04 de Fevereiro do corrente ano. (Inocência Vasco)