Por causa de capulanas: Mulheres em Nampula violam estado de emergência para celebrar o 7 de Abril

0
901
Mulheres macuas violam estado de emergencia

Nampula (IKWELI) – As mulheres da cidade de Nampula decidiram entre o último sábado e esta segunda-feira ignorar as medidas constantes do decreto presidencial sobre o estado de emergência sob alegação de compra de capulanas para a comemoração do dia 7 de Abril, dia da mulher moçambicana.

As comemorações do dia da mulher moçambicana têm se tornado curiosas pelos eventos extraordinários que se registam no maior centro urbano do norte do país. em 2019, há a memoria de homens que foram queimados com água quente, estrangulados órgãos genitais por não terem comprar capulanas para as suas mulheres, bem como casos de mulheres que viram os seus órgãos sexuais colados por chegarem tarde a casa.

Um pouco por todos os cantos da cidade, as lojas de venda de capulanas estavam repletas de mulheres adultas e jovens, que a todo o custo procuravam comprar uma peça de capulana.

A medida de aglomerados de até 10 pessoas não foi observada, e a polícia ia passando observando tranquilamente os cenários.

Na avenida do Trabalho, o Ikweli conversou com várias mulheres, as quais disseram que decidiram ignorar as medidas do estado de emergência em resposta a prevenção do novo coronavírus, covid-19, porque “queremos comemorar o nosso dia”.

Na rua dos Continuadores, também, observamos filas longas e aglomerados acima de 10 pessoas. As mulheres queriam, a todo o custo, adquirir uma capulana para celebrar o 7 de Abril.

“Queremos passar o nosso dia bem vestida, mesmo que seja em casa”, reagiu a senhora Paula Tomé, residente no bairro Cossore.

“Mesmo com essa proibição, nós vamos festejar, se a polícia quiser pode nos bater”, Josina Cláudio, residente do bairro Muahivire.

“Contribuímos entre mulheres para passarmos bem o nosso. Agora querem nos proibir, mas não vão conseguir. Queremos festejar em paz. Todos os anos festejamos e não sei porque agora querem nos proibir”, referiu a senhora Manuela Ibraimo, residente em Mutauanha, para depois questionar: “é por causa desse coronavírus mesmo ou é outra coisa?”.

No famoso mercado dos bombeiros, também, registou-se um movimento desusado, até, pelo menos, as 14h de hoje. Quando a nossa reportagem passou pelo local, havia grupos de mulheres a escolherem capulanas para o dia 7 de Abril.

“Esse ano temos que fazer chorar aquelas outras [de grupo diferente] ”, ouvia-se nas conversas das mulheres que estavam comprando peças de capulanas para vestirem neste 7 de Abril de 2020. (Aunício da Silva)