Por suposta propagação do coronavírus: Cidadã escapa de linchamento por recusar quarentena obrigatória em Nampula

0
504
O jovem extorquia os pacientes em troca dos beneficios que tem como doador de sangue

Nampula (IKWELI) – Uma senhora, oriunda da província de Cabo Delgado, no norte do país, escapou de um linchamento popular no bairro de Mutauanha, nos arredores da cidade de Nampula, alegadamente, por estar contaminada com o novo coronavírus, a covid-19, e estar a negar estar em quarentena obrigatória.

Os moradores daquele ponto do mais importante centro urbano do norte de Moçambique alegam que a vítima estava a propagar a doença, sobretudo porque esta rejeitou o apelo da sua vizinha para se manter em quarentena no período recomendado pelas autoridades sanitárias do país.

Preocupados, os moradores decidiram fazer a justiça pelas próprias mãos, na manha da última sexta-feira (10). Primeiramente, espancaram a senhora e, de seguida pretendiam lincha-la, o que não aconteceu graças a intervenção das autoridades policias e da saúde que a socorreram e encaminharam-na para o Hospital Central de Nampula (HCN).

Este comportamento, preocupa as autoridades de saúde da mais populosa província do país, e o respectivo médico – chefe provincial, Isidoro Suleimane garantiu ao Ikweli que a senhora depois de receber cuidados intensivos foi encaminhada para o Centro de Tratamento de Coronavírus, instalado no Hospital Psiquiátrico de Nampula, também, localizado no bairro de Mutauanha.

“As pessoas não podem entrar em confusão, em casos desta natureza. Elas devem contactar as autoridades competentes, neste caso a saúde, para dar informações da existência de pessoas que  suspeita-se de estarem a sair de regiões afectadas pelo coronavírus, e  nós vamos se dirigir para o local e efectuar os procedimentos subsequentes, visando obrigar a observância da quarentena obrigatória. Portanto, não precisa recorrer o uso da força”, explicou.

Numa outra abordagem, o nosso interlocutor fez saber que decorre o processo de rastreio na fronteira entre Nampula e Cabo Delgado, sobretudo no Lúrio, para evitar possível propagação da doença.

“Queremos reforçar as medidas de prevenção na nossa província. Como vocês sabem, temos casos positivos da covidi-19 em Cabo Delegado, então a nossa acção contra Cabo Delegado deve ser um pouco enérgica, por isso estamos a fazer rastreios de todos os cidadãos idos de daquela província”, disse.

Até na última segunda-feira, de acordo com o médico – chefe provincial de Nampula, a província já tinha feito dez colheitas de dez casos suspeitos cujos resultados revelaram negativos em seis, aguardando-se o desfecho das quatro amostras. Um dado menos importante é que pelo menos dez pessoas encontram-se em quarentena obrigatória na província de Nampula, a mais populosa do país.

Polícia fala de um óbito, mas avança detalhes

Para reagir a volta do assunto, O Ikweli contactou, telefonicamente, o porta-voz do Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique, em Nampula, Zacarias Nacute, o qual fez saber que a sua corporação terá se feito ao local para conter os ânimos populares e evitar o pior.

Zacarias Nacute, que não quis avançar detalhes, referiu que no local a polícia terá se deparado com um corpo sem vida, como resultado dos tumultos. Ainda assim, a fonte garantiu que a corporação está a trabalhar com vista a neutralizar os mentores do crime do assassinato e os de agitação que culminou com o ferimento grave da cidadã supostamente contaminada pelo coronavírus. (Celestino Manuel)