Propagação da Covid-19: Aumento de casos do coronavírus em Cabo Delgado deixa governo de Nampula receoso

0
358
O governador de Nampula tem medo que Cabo Delgado contamine a sua populacao

Nampula (IKWELI) – As autoridades governamentais de Nampula, no norte de Moçambique, receiam a rápida propagação da pandemia do novo coronavírus, a covid-19, ao nível da província, devido aos crescentes casos positivos diagnosticados na vizinha Cabo Delgado.

Cabo Delgado é a província, que desde a eclosão da pandemia, contabiliza metade dos casos positivos diagnosticados em todo o território nacional, de acordo com actualização das autoridades moçambicanas feita na última quarta-feira (22) que apontava para um cumulativo de 41 pessoas infectadas pela covid-19. De acordo com as mesmas fontes, até a data, Nampula não registou casos positivos para a doença.

A preocupação foi manifestada pelo governador da província de Nampula, Manuel Rodrigues, ontem (quinta-feira) na cidade de Nampula, durante a cerimónia de recepção de materiais de higiene e de protecção contra a Covid-19, doados por alguns agentes económicos que actuam nesta parcela moçambicana. Trata-se de quantidade não especificada de pulverizadores, máscaras de protecção de fabrico caseiro, cloro, sabão, para além de baldes.

O governador de Nampula, Manuel Rodrigues, manifestou sua preocupação nesta quinta-feira (23) sobre o cenário em que Cabo Delgado está mergulhado, temendo que o seu território seja facilmente afectado pelo coronavírus, devido a vizinhança que se observa entre as duas províncias.

“Há a necessidade de nos comunicarmos sobre os perigos que corremos aqui na nossa província de Nampula, porque somos vizinhos de uma província, que é Cabo Delgado, onde, infelizmente, há uma zona chamada Afungi, que é um posto administrativo do distrito de Palma, onde tem estado sempre a serem reportados casos positivos de coronavírus”, disse Manuel Rodrigues.

O governador de Nampula insta a todos actores da sociedade para a observância das medidas de prevenção, de forma a fragilizar as investidas do novo coronavírus, na mais populosa província do país.

“Portanto, a precaução que devemos ter é de que, como sabemos, a nossa cidade e província de Nampula é um corredor de passagem para a zona sul e para a zona norte. Então há muito tráfego, tanto de transportadores de passageiros e de mercadoria, o que exige, seguramente, o reforço das medidas de precaução, para que não possamos correr o risco de contrair o coronavírus na província de Nampula”, precisou o governador de Nampula.

Mais adiante, Rodrigues voltou a apelar a toda a população da província de Nampula “para continuarmos a cumprir com as medidas que estão sendo largamente divulgadas pelos órgãos de comunicação social e do lado do governo, no sentido de que cada um assuma a responsabilidade individual de se prevenir para não contrair o vírus que causa a doença que, infelizmente, continua a ceifar vidas a nível mundial”, sendo que “é importante sempre nos recordar que temos que lavar as mãos tantas vezes quantas forem possíveis, temos que nos recordar que quando estamos em locais público como este temos que usar a máscara porque protege quando você tosse não contaminar a outra pessoa e depois temos que evitar em estar em locais de grande aglomerado populacional, portanto, em locais em que haja muita gente, temos que evitar, e quanto menos nos expomos à rua, melhor é. Fique em casa porque, ficando em casa, diminui o risco de contrair o coronavírus”.

Na ocasião, após a recepção dos mesmos materiais, compostos por mais de 300 máscaras de protecção caseira, cinquenta caixas de sabão e igual número de baldes e cinco pulverizadores, Manuel Rodrigues fez a entrega do referido material a Associação dos Transportadores Terrestre de Nampula (ASTRA) cujo presidente, Luís Vasconcelos enalteceu o gesto, porque, segundo disse, o sector de transporte é o mais vulnerável.

“Agradecer e louvar a iniciativa do sector empresarial na doação que foi feito junto do governo e agradece, também, a iniciativa do próprio governo ao fazer a entrega direccionada a associação, visto que o sector de transporte é vulnerável, certamente podemos ter passageiros que vem de Cabo Delgado  e outros que saem de Maputo, (províncias com registo de casos da doença) por isso precisamos ter as nossas viaturas desinfectadas”, disse para sustentar que “com este material que a ASTRA acaba de receber, julgamos nós que vamos fazer um trabalho ao nível das terminais e em algumas praças no sentido de desinfectar as viaturas e, a partir de hoje amanha, vão começar os trabalhos de desinfestação das próprias viaturas.” Precisou Vasconcelos.

De acordo com fontes seguras, ao nível mundial, mais de 2.650.000 pessoas foram infectadas pela Covid-19, das quais mais de 185.000 perderam a vida e 727886 são dadas como recuperadas. (Constantino Henriques)