Mais de 20 mil deslocados da Guerra de Cabo Delgado vivem em Nampula

0
59

Nampula (IKWELI) – A província de Nampula, a mais populosa do país, conta, actualmente com mais de 20 mil pessoas deslocadas de Cabo Delgado, em consequência dos ataques terroristas que ocorrem desde 5 de Outubro de 2017 nos distritos do centro e norte daquele ponto do país.

Estes dados foram tornados públicos por Manuel Rodrigues, governador da província de Nampula, durante o lançamento de uma campana solidária promovida pelo Conselho de Álimos de Nampula, com o objectivo de angariar apoios para os deslocados.

“Esses nossos irmãos estão em 15 distritos,mas maior parte deles está no distrito de Meconta, com particular destaque para o posto Administrativo de Namialo e aqui na cidade de Nampula. Portanto, como podemos todos ver, é, sem dúvida, um grande número de irmãos que, neste momento, precisam da nossa mão, precisam do nosso amparo e, por isso mesmo, diariamente temos vindo a receber um grande número de concidadãos que vem da província de Cabo Delgado”, disse Rodrigues.

O governante recomendou para que “esta campanha de angariação de apoio aos deslocados sejaentendida como uma campanha de apoio às vítimas do terrorismo”, enfatizando que “nós estamos aqui, estamos juntos,como irmãos,para colectarmos o pouco que cada um de nós tem, colectarmos o pouco que toda a população da província de Nampula tem para apoiar as vítimas do terrorismo em Cabo Delgado. Portanto, não deve ser só vista como aqueles nossos concidadãos que estão connosco aqui mas, também, aqueles que estão na província de Cabo Delgado”,bem como aqueles “concidadãos que estão na província da Zambézia”,e os que “estão se espalhando um pouco por todo o nosso país e que precisam da nossa mão”.

O governador de Nampula disse,por outro lado,que mais do que uma campanha solidária aos deslocados de Cabo Delgado, “é preciso, caros irmãos das organizações islâmicas da nossa província, que continuemos a condenar esses actos terroristas”,porque “nós sabemos que o islão condena o terror, o islão não é pela violência, o islão não é pelo sofrimento do ser humano ou de um nosso semelhante como pessoa, o islão é pela paz, o islão é pelo amor, o islão é pela solidariedade entre as famílias,eé por isso que queria solicitar e apelar para que todos condenemos para mostrar ao mundo, mostrar a esses [terroristas] que estão a dizer que proferimos o islão para dizer não, não é isto”.

“Continuemos com esta condenação massiva e passemos mensagem de que é importante que todos nós informemos e formemos a nossa população através destas organizações islâmicas que nós temos,e porque reconhecemos que as organizações islâmicas,tanto na nossa província quanto em todo Moçambique, são parceiras indispensáveis do governo, no desenvolvimento de várias acções como estas, acções sociais”, continuou Rodrigues,para depois concluir que “é com muita satisfação que o governo da província de Nampula, hoje se junta a esse grande movimento, o movimento que é efectivamente a campanha que vai se estender para o tempo que for necessário para angariarmos o apoio para as vítimas do terrorismo”.

Por seu turno, o presidente do Conselho de Álimos de Nampula, Abudo Essimela, reconheceu que “o terrorismo que está a agredir o nosso país, provocou e continua a criar mortes, pilhagem e movimentação forçada de pessoas nas suas zonas de origem para as zonas mais seguras. É nesse sentimento que, o Conselho de Álimos de Nampula, em parceria com as organizações islâmicas da nossa província, tomaram a iniciativa de lançar uma campanha solidária sob o lema estenda a sua mão com uma parte do que tiver para quem precisa, como forma de despertar a todos nós a necessidade de cada um contribuir com o pouco que tem para juntos minimizarmos a situação de sofrimento dos nossos compatriotas”.

“Queremos aproveitar este espaço para renovar o nosso apelo a todos os moçambicanos que todos, de forma individual ou colectiva, vamos nos juntar para abraçarmos esta nobre iniciativa”, porque “a vossa generosidade será retribuída”. (Constantino Henriques)